quarta-feira, 30 de maio de 2012

80. Mulher.

Há alguns dias atrás estive falando com um grupo de amigos sobre assuntos relacionados com as Artes Marciais japonesas mais antigas... foi onde as definições "místicas" começaram a "fluir". (Não há nada a fazer... Todos nós "adoramos" o misticismo das artes orientais!) (^_^)

O assunto em questão era a diferença entre Shinobi, Ninja e a sua cara metade, as agentes de campo femininas conhecidas por "Kunoichi". 

Este é um assunto interessante porque ainda existem muitos instrutores de "Ninjutsu" que não fazem a mínima ideia sobre o que este termo se refere.

Disparates e criatividade exagerada à parte, vou falar justamente sobre a definição - mais uma vez - tão falada e tão pouco pesquisada que foi o caso de "Kunoichi".

"Nessa altura do campeonato", acredito que todos nós já sabemos que o idioma japonês usa dois conjuntos de caracteres (Hiragana [Silabário moderno]) / Katakana [Silabário antigo]) e um conjunto de símbolos (Kanji [ideogramas]) - em simultâneo - para expressar graficamente o idioma. 

Pois bem, a palavra KUNOICHI nada mais é do que a junção destas três formas de escrita para indicar "secretamente" as agentes femininas.

Agora vamos ver o que está por trás deste "segredo" e ENTENDER a que o termo se refere realmente:

KU - é o caractere escrito em HIRAGANA - Silabário moderno japonês = ().
NO - é o caractere escrito em KATAKANA - Silabário antigo japonês = ().
ICHI - é o ideograma KANJI para o número 1 (um) = () .

Portanto, KUNOICHI é uma forma codificada (se escrita) para a palavra japonesa ONNA () "Mulher(es)".


Assim sendo, misticismos à parte, KUNOICHI apenas significa "Mulher(es)" e nada mais.
(^_^)


Ah! Mais uma coisinha: o idioma japonês não tem "plural", consequentemente KUNOICHI pode ser tanto "mulher" como "mulheres".

sexta-feira, 25 de maio de 2012

78. 空手道、頑張れ!

Basta inscreverem-se no site "The K is on the way"

http://www.thekisontheway.com/

...e apoiar a entrada do Karate nos Jogos Olímpicos.

Ganha-se um certificado por ter apoiado a iniciativa da World Karate Federation.


空手道、頑張れ!KARATEDŌ GANBARE! "Força Karatedō!" (^_^)



domingo, 20 de maio de 2012

77. Pensamentos...


Chihaya furu kami no oshie wa 
tokoshie ni tadashiki kokoro, 
mi o mamoruran.

"Os ensinamentos dos Deuses em mil rápidas sacudidas, 
(se) os (nossos) espíritos (forem) eternamente corretos, 
protegerão os nossos corpos. " 

sábado, 19 de maio de 2012

76. Eras Japonesas.

Algumas publicações a respeito das Vias Marciais trazem as datas indicadas com base nas Eras ou períodos históricos japoneses.

No caso das Vias Marciais com sufixo Dō 道, estas têm datas que começam após a "Restauração (do poder imperial) da era Meiji" 明治維新 Meiji Ishin - para diferenciar das "Artes Marciais" Koryū 古流, daí eu colocar a tabela seguinte como referência cronológica para situar as Vias Marciais praticadas hoje em dia.

Talvez seja bom e interessante lembrar a diferença a nível de nomenclatura e contexto histórico entre as expressões:

1. 武術 Bujutsu - "Artes Marciais".
2. 武道 Budō - "Vias Marciais".

São coisas completamente diferentes!


+-----------+-----------+-----------+-----------+
|   明治         大正        昭和         平成    |
|  Meiji       Taishō      Shōwa       Heisei   |
+-----------+-----------+-----------+-----------+
|  1 - 1868 |  1 - 1912 |  1 - 1926 |  1 - 1989 |
|  2 - 1869 |  2 - 1913 |  2 - 1927 |  2 - 1990 |  
|  3 - 1870 |  3 - 1914 |  3 - 1928 |  3 - 1991 |
|  4 - 1871 |  4 - 1915 |  4 - 1929 |  4 - 1992 |
|  5 - 1872 |  5 - 1916 |  5 - 1930 |  5 - 1993 |
|  6 - 1873 |  6 - 1917 |  6 - 1931 |  6 - 1994 |
|  7 - 1874 |  7 - 1918 |  7 - 1932 |  7 - 1995 |
|  8 - 1875 |  8 - 1919 |  8 - 1933 |  8 - 1996 |
|  9 - 1876 |  9 - 1920 |  9 - 1934 |  9 - 1997 |
| 10 - 1877 | 10 - 1921 | 10 - 1935 | 10 - 1998 | 
| 11 - 1878 | 11 - 1922 | 11 - 1936 | 11 - 1999 | 
| 12 - 1879 | 12 - 1923 | 12 - 1937 | 12 - 2000 | 
| 13 - 1880 | 13 - 1924 | 13 - 1938 | 13 - 2001 | 
| 14 - 1881 | 14 - 1925 | 14 - 1939 | 14 - 2002 |
| 15 - 1882 | 15 - 1926 | 15 - 1940 | 15 - 2003 |  
| 16 - 1883 |-----------| 16 - 1941 | 16 - 2004 | 
| 17 - 1884 |           | 17 - 1942 | 17 - 2005 | 
| 18 - 1885 |           | 18 - 1943 | 18 - 2006 | 
| 19 - 1886 |           | 19 - 1944 | 19 - 2007 | 
| 20 - 1887 |           | 20 - 1945 | 20 - 2008 | 
| 21 - 1888 |           | 21 - 1946 | 21 - 2009 | 
| 22 - 1889 |           | 22 - 1947 | 22 - 2010 | 
| 23 - 1890 |           | 23 - 1948 | 23 - 2011 | 
| 24 - 1891 |           | 24 - 1949 | 24 - 2012 | 
| 25 - 1892 |           | 25 - 1950 | 25 2013 |
| 26 - 1893 |           | 26 - 1951 | 26 2014 |
| 27 - 1894 |           | 27 - 1952 | 27 2015 |
| 28 - 1895 |           | 28 - 1953 | 28 2016 |
| 29 - 1896 |           | 29 - 1954 | 29 2017 |
| 30 - 1897 |           | 30 - 1955 |-----------|
| 31 - 1898 |           | 31 - 1956 |
| 32 - 1899 |           | 32 - 1957 |
| 33 - 1900 |           | 33 - 1958 |
| 34 - 1901 |           | 34 - 1959 |
| 35 - 1902 |           | 35 - 1960 |
| 36 - 1903 |           | 36 - 1961 |
| 37 - 1904 |           | 37 - 1962 |
| 38 - 1905 |           | 38 - 1963 |
| 39 - 1906 |           | 39 - 1964 |
| 40 - 1907 |           | 40 - 1965 |
| 41 - 1908 |           | 41 - 1966 |
| 42 - 1909 |           | 42 - 1967 |
| 43 - 1910 |           | 43 - 1968 |
| 44 - 1911 |           | 44 - 1969 |
| 45 - 1912 |           | 45 - 1970 |
|-----------|           | 46 - 1971 |
                        | 47 - 1972 |
                        | 48 - 1973 |
                        | 49 - 1974 |
                        | 50 - 1975 |
                        | 51 - 1976 |
                        | 52 - 1977 |
                        | 53 - 1978 |
                        | 54 - 1979 |
                        | 55 - 1980 |
                        | 56 - 1981 |
                        | 57 - 1982 |
                        | 58 - 1983 |
                        | 59 - 1984 |
                        | 60 - 1985 |
                        | 61 - 1986 |
                        | 62 - 1987 |
                        | 63 - 1988 |
                        | 64 - 1989 |
                        |-----------|

-------------------------------------------------------------
      Era            Começo   /    Fim       時代
-------------------------------------------------------------
Jōmon           -  14000 a.C. /     300 a.C. 縄文
Yayoi           -    300 a.C. /         250. 弥生
Kofun           -         250 /         538. 古墳
Asuka           -         569 /         645. 飛鳥 (倭→日本)
Nara            -         710 /         794. 奈良
Heian           -         794 /        1185. 平安
Kamakura        -        1185 /        1333. 鎌倉   
Kenmu no Shisei -        1333 /        1336. 建武の新政
Muromachi       -        1336 /        1573. 室町
Sengoku         -        1467 /        1573. 戦国
Azuchi-Momoyama -        1573 / 24 Mar 1603. 安土桃山
Edo             - 24 Mar 1603 /  3 Mai 1868. 江戸
Meiji           -  8 Set 1868 / 30 Jul 1912. 明治
Taishō          - 30 Jul 1912 / 25 Dez 1926. 大正
Shōwa           - 25 Dez 1926 /  7 Jan 1989. 昭和
Heisei          -  7 Jan 1989 /    Até hoje. 平成
-------------------------------------------------------------
Sengoku foi o período de Guerras Civis no Japão.

Existe ainda em uso no Japão uma outra contagem do tempo chamada KŌKI 皇紀, que é o calendário imperial. Para saber o ano KŌKI basta somar 660 ao calendário SEIREKI (nosso calendário), por exemplo: 2012 + 660 = ano Kōki 2672.
Ou seja, o nosso 2012 equivale ao ano 2672 do calendário Kōki. (皇紀=西暦+660)

E alguém perguntaria: "E saber isso serve para quê?!"

O meu propósito sempre foi fornecer "fundamentação histórica" para quem tem interesse e para quem estuda a cultura japonesa, Bushidō etc.. Mais cedo ou mais tarde alguém vai estudar ou vai ler sobre a 2ª Guerra Mundial e Japão (inevitavelmente). Pois bem. Houve um avião japonês que ficou famoso por ser - no período que foi fabricado - imbatível nos céus. Este avião foi o MITSUBISHI A6M ZERO. Sendo que este ZERO refere-se à sua data de fabricação... Eis agora o porquê de se saber o calendário Kōki: é que os nomes dos tipos das aeronaves japonesas obedeciam ao ano Kōki de fabrico, portanto 1940 era o ano Kōki 2600 - o último algarismo sendo ZERO!
(^_^)

sexta-feira, 18 de maio de 2012

75. Pensamentos...


Oto mo naku, nioi mo naku,
China mo naku, Yūmei mo nashi,
Fukaki fuchi no gotoshi sono kō,
Ametsuki zōka no gotoshi.

"Sem som, sem cheiro,
Sem valor, sem fama,
Como as profundezas de um abismo, o seu mérito
é como a criação do Universo."

74. Perguntas e Respostas.

-----------------------------------------------------------------
MINHA PERGUNTA:
-----------------------------------------------------------------
田崎道場の皆さん、押忍!
私は伯剌西爾人で空手道の型名称の研究をしていますが数字がある型名称はよく解りません。
例えば:
十三(セーサン)、十八(セーパイ)、三十六(サンセールー)、壱百〇八(スーパーリンパイ)などがある。
古い型名称を読んで次の数字を見つけました:
〇(リン)、一(スー)、二(ニー)、三(サン)、四(シー)、五(ウー)、六(ルー)、七(?)、八(ハイ/ヘー)、九(?)、十(セー)、百(パー/ペツ)。然し、七と九の数字を見つけません。この読み方は沖縄語でしょうか。
何卒、教えて下さい!
ジョゼーヴェルソンより
後書:日本語の勉強が不足で御免なさい!(^_^)

"A todos do Tazaki Dō
jō, Osu!
Sou brasileiro e estou pesquisando os nomes dos Kata de Karatedô, mas não compreendo muito bem os nomes dos kata que têm números. Por exemplo, existem:
十三 (Sēsan - "13"), 十八 (Sēpai - "18"), 三十六 (Sansērū - "36"), 壱百〇八 (Sūpā
rinpai - "108") etc.. 
Lendo a nomenclatura antiga (de Okinawa) dos kata, descobri os seguintes números:
〇 (Rin - "zero")、一 (Sū - "um")、二 (Nii - "dois")、三 (San - "três")、四 (Shii - "quatro")、五 (Ū - "cinco")、六 (Rū - "seis")、七(?)、八 (Hai / Pē)、九(?)、十 (Sē - "dez")、百 (Pā
 / Petsu - "Cem").
Mas não descobri os números 7 e 9... (A sua forma de leitura em Uchinā-guchi.)
Por favor, poderiam me ensinar?
Joséverson.
P.S.: Sinto muito pela falta de estudo do idioma Japonês! (^_^)"
-----------------------------------------------------------------
RESPOSTA DO TAZAKI DŌJŌ
.
-----------------------------------------------------------------
日本空手道田崎道場
Dear Joseverson Goulart
田崎道場の田崎です。
空手の形に使われている数字についてですが・・・
残念ながら、私も詳しくはわかりません。
空手は、沖縄の「手(ティー)」が源流であり、近年日本本土に伝わったときに「空手」と表記されるようになってます。
数字は中国語読みにとても似ています。
未確認ですが・・・中国語読みがそのまま、もしくは、少し変化して読まれているのではないでしょうか?
ちなみに、中国語読みで数字は以下の通りです。
一(イー)
二(リャン)
三(サン)
四(スー)
五(ウー)
六(リュー)
七(チー)
八(パー)
九(チュン)
また、「五十四歩」という形がありますが、この読み方は「スーシホ」です。
押忍!

"NIPPON KARATEDŌ - TAZAKI DŌ
JŌ
Caro Joseverson Goulart
Sou Tazaki do Tazaki Dōjō.
Sobre a utilização de números nos Kata de Karate...
Infelizmente eu também não compreendo em detalhes.
O Karate (que conhecemos atualmente), era conhecido por Tii de Okinawa e nos recentes anos quando foi introduzido em território japonês tornou-se Karate.
Os números imitam a leitura Chinesa. Não é uma informação confirmada mas... 
A leitura do idioma Chinês não variou, ou (se variou) foi muito pouco - será que não se podemos ler (desta forma)?
 A propósito, a leitura dos números em Chinês é como se segue:
(ii   - "um")
(Ryan - "dois")
(San  - "três")
(Sū   - "quatro")
(Ū    - "cinco")

(Ryū  - "seis")
(Chii - "sete")
(Pā   - "oito")

(Chun - "nove")
Mais... o Kata chamado Gojūshihō, a leitura é Sūshiho.
OSU!"
-----------------------------------------------------------------
Nota: 
(o_0?) Sū - seria traduzido por "50" apenas mudando o Kanji? E, em caso de resposta afirmativa, qual é este kanji para o número 50 ou é coisa local de Okinawa? 
-----------------------------------------------------------------


Mito Karatedō Club - Akatsuki Dōjō. 水戸空手道倶楽部 暁道場
Thank you for e-mail. For numbers of the name of the 形 (型), This is the old reading of Okinawa. There also a theory or represents the number of steps, it also represents the number or behavior. Now, how to count the number of steps and the exact number of behavior, because it is not exact numbers, absolute and does not say. In the interpretation of the decomposition, so they change the flow and word of command, or where separate? And one, where do you think? Is, not exactly transmitted. In the Chinese martial art, the name form, the representation and metaphor in the name of the animal is used. In the name of the era personality Okinawa, mainland
メールありがとうございます。
型(形)の名称の数字に関して、
これは、沖縄の古い読み方です。
歩数を表してしたり、挙動数を表していたりする、という説もございます。
今では、正確な歩数の数え方や、挙動数も、正確な数字ではないので、絶対とは、言えません。
分解の解釈で、号令や流れが変わるので、どこで区切るか?どこで一つと、考えるか?で、正確には伝わっていません。
中国拳法では、形名称は、動物や比喩での名前表現が使われます。
沖縄時代の名称が性格で、本土(日本)に入ってからの名称は、後付けで、本土(日本)で、判りやすく変換(翻訳ではない)に変更されています。
-----------------------------------------------------------------


沖縄拳法空手道 沖拳会 OKINAWA KENPO OKIKENKAI

Hi, Joseverson san
Old Okinawan people spoke old Japanese and old Chinese.
but, I think that your example chinese character pronounce was used recently in Okinawa.
For example uechi and gojyu.
I think okinawan people used another pronounce in Okinawa.
I researched that pronounce was same like old Japanese pronounce.
Old Okinawan Languege pronounce save in Okinawa Kudaka Island.
I heard both old japnaese and old okinawan pronounce.
I feel like same.
With such a reason why, I believe seipai and sanseiryu and suparrinpei is from china.
Recently, this kata from china.
this pronounce from china.
but seisan origin from Okinawa. seisan is not 13.
we train seisan kata. but this kata not from china.
Old chinese and Old japanese Pronounce in Okinawa is mixed.
With such a reason why, kata name is not only same Chinese pronounce.
I'm sorry, I can't English well.

Okinawa Kempo Yoshitomo Yamashiro.

-----------------------------------------------------------------
-----------------------------------------------------------------
Apenas para complementar este assunto (que ainda não está nem de longe concluido) e deixar informação fundamentada para quem está a pesquisar sobre o mesmo assunto, embora não sendo o meu campo de conhecimento - isto é, a cultura Chinesa, aqui vão os números chineses no sistema de transcrição fonética Pīn Yīn, os números encontrados nos clássicos (Líu Qíu Yǔ) sobre Karate e a correspondente transcrição japonesa no sistema fonético Hepburn.

  0 Líng - Rin        - Rei (Zero)
  1 Yī   -         - Ichi
  2 Èr   - Nii        - Ni
  3 San  - San        - San
  4    - Shii       - Shi
  5 Wǔ   - Ū          - Go
  6 Liù  -          - Roku
  7 Qi   - Chii       - Shichi
  8    - Hai/Pai/Pē - Hachi
  9 Jǐu  - Chun       - Kyū
 10 Shí  - Sei/Sē     - Jū
 20 Nìan - ?          - Nyū
 30   - ?          -
 40   - ?          - ?
100 Bâi  - /petsu   - Hyaku
-----------------------------------------------------------------

73. Filosofias.


AIKIDŌ NO SEISHIN.
Aiki to wa ai nari, ametsuki no kokoro o motte waga kokoro to shi, banyūaigo no dai-seishin o motte jiko no shimei o kansui-suru koto koso bu no miti de araneba naranu. 

Aiki to wa jiko ni uchi-kachi teki o shite tatakau kokoro nakarashimu, ina, teki sono mono o naku suru zettai-teki jiko kannsei no michi nari, shikō shite bugi wa ten no rihō o tai ni utsu-shi reiniku ittai no shijō-kyō ni itaru no gyō de ari, dôtei de aru.

           (Ō-Sensei) Ueshiba Morihei.

O ESPÍRITO DO AIKIDŌ.
Aiki é amor, significa fazer dos espíritos dos céus e da terra o seu próprio espírito e
cumprir a sua missão (de vida) através do Grande Espírito que a todos ama e protege. 

 desta forma que devem ser as Vias Marciais.
Aiki é ultrapassar as agressões dentro de si mesmo, não é combater um inimigo com
crueldade, nem permitir que o inimigo faça o mesmo, (Aiki é) a via do aperfeiçoamento
incondicional de si próprio; isso significa que as técnicas marciais - as leis dos céus
fluindo através dos limites do corpo e do espírito e produzindo a performance - são a
jornada (a ser percorrida na direção deste objetivo).

           (Ō-Sensei) Ueshiba Morihei.

Notas:
1. As expressões entre parênteses foram adicionadas por mim à versão original japonesa para dar mais sentido à frase em Português.
2. Existem outras interpretações do texto de Ô-Sensei difundidas na internet, mas até agora não encontrei nenhuma que se aproxime da tradução literal do texto...

3. "Os céus e a terra" também podem ser traduzidos como "o Universo" ou até mesmo "a Natureza".
------------------------------------------------------------------------------------------------------------
NINJA SEISHIN.
Ninja Seishin to wa, Shin-Shin-Shiki o shinobu, Ninniku-seishin o konpon to suru.
Chijoku o shinonde, urami o hōji saru, Nintai-seishin o yashinau koto ni hajimaru mono de aru.
Nin to wa, kokoro no ue ni yaiba o oite, yaiba de hito o kizutsuke-tari suru yō na mono de naku, kajō-waraku, hana no gotoki jōai o motte, heiwa o tanoshimu mono de aru.
Yue ni, tai o motte, shizen ni aite no ken o sake sugata o kesu, kyojitsu-tenkan no myō o e, Itchō kuni no tame to ka gi no tame ni, Chi-Sui-Ka-Fū-Kū no dai-shizen o riyō-shite, Aite o sei-suru koto ga, Ninja no konpon-gensoku de aru.

O ESPÍRITO NINJA.
O Espírito Ninja é a perceverança da mente, corpo e consciência, é a base do espírito capaz de suportar todos os embaraços. É o começo do desenvolvimento espiritual, tornando-o capaz de suportar as desgraças, livre de ressentimentos. NIN 忍 é colocar a espada 刃 sobre o coração 心, mas não para magoar as pessoas com a espada, é Kajô-waraku 花情和楽
, é "ser puro e afetuoso como uma flor e ter um coração que, com compaixão, desfrute da paz".
Consequentemente, o corpo evita de forma natural a espada do inimigo, adquirindo o mistério do discernimento entre o verdadeiro e o falso e, por breve momentos, utilizar a natureza da terra, água, fogo, vento e ar em defesa contra os inimigos da justiça e do país, sendo (portanto) os princípios fundamentais do Ninja.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

72. Uma linha muito tênue.

Hoje, após uma troca de ideias com amigos sobre "o estado das coisas" nas Artes Marciais Japonesas ensinadas de uma forma geral, achei que deveria criar uma entrada no Blog apenas para reflexão individual e particular.

Tenho notado, nas mais diversas Artes Marciais Japonesas ensinadas no ocidente, uma relutância em modificar conceitos comprovadamente errados por outros fundamentadamente corretos e, para comprovar o que eu digo, vou usar - mesmo fora do contexto marcial Japonês - um dos maiores exemplos de erro grosseiro transmitido de geração em geração (pois este erro já tem uns 40 anos de idade e - pelo que parece - vai ficar uns outros 40 anos)! O erro a que me refiro é a utilização do termo Kung Fu 功夫 [1] como sinônimo de "Artes Marciais Chinesas".
Pois bem. Vamos primeiro entender a que me refiro e depois tecer alguns comentários que possam esclarecer alguns pontos um tanto obscuros.

"Kung Fu 功夫" não é nenhuma Arte Marcial! 
Nunca foi, é ou será uma Arte Marcial porque o termo em questão é um título de proficiência e não uma forma de luta.
Se lermos os ideogramas que compõem esta palavra, teremos:
功 Kung - "Mérito".
夫 Fu - "Homem, Pessoa"
Assim, pode-se traduzir "Kung Fu" como sendo "Pessoa hábil, conpetente, especialista...", ou seja, "qualquer pessoa que faça bem a sua função", seja ela qual for! Um dentista, um médico, um advogado, um pintor, um cantor e - acreditem ou não - até um Artista Marcial... Todos podem ser Kung Fu!!
Tenho certeza que muitos praticantes, entusiastas e apoiantes de "Kung Fu"  como forma de combate já estão nervosos! Nervosos porque, para a maioria da população ocidental, Kung Fu "É" uma forma de luta!
Não, não é! (^_^)

"Mas se não é uma luta, de onde vem esta idéia que tem sido transmitida há tantos anos?"

Para o pessoal da minha geração, ainda deve estar na memória uma série transmitida na televisão na década de 70, onde havia um monge budista sino-americano que vivia no templo Shào-Lín 少林 
chamado Kwai Chang Caine (interpretado por David Carradine... na verdade, a série tinha como protagonista original Bruce Lee, mas devido Lee ser "demasiado" Chinês a coisa não correu lá muito bem), que acabava com os maus do filme através de "porrada com sabedoria".
Como o título do filme era - pasmem - "Kung Fu" e ninguém fazia ideia a respeito do nome da luta que o monge usava, resolveram chamar de "Kung Fu" ao tipo de luta e NÃO ao fato de o monge ser realmente "O" Kung Fu... Aproveitando esta maré de sucesso da série, as escolas de Kung Fu proliferaram! E, pronto, o resto é o que sabemos.

"Mas se o nome não é (mesmo) Kung Fu, como se chama então?!"

No oriente, existem duas formas corretas de se referir às Artes Marciais Chinesas e através dos quais deveriam ser referidas em se tratando de arte de combate:
1. Em Taiwan são conhecidas por Wû-shù 武術 "Artes Marciais" (estes ideogramas são lidos "Bu-jutsu" em japonês).
2. Na China (comunista) são conhecidas por Gúo-shù 國術 "Artes Nacionais" (estes ideogramas são lidos "Koku-jutsu" em japonês).
Mas, passados 40 e tantos anos, cá estamos nós a ver "O Panda DO Kung Fu"!

Mas o "Kung Fu" é um exemplo de um "erro" reconhecido como "certo" por toda gente!


Menos claros ou evidentes... são os termos errados "Japoneses", transmitidos por escolas de artes mariciais de origem Nipônica, como o Jûdô, Karatedô, Aikidô, Kenpô, Kendô e mais um monte de DÔ... onde os erros vêm se perpetuando de forma não mais recente e de forma bastante consistente.

"Mas qual foi o motivo para essa negligência generalizada?" 

Há várias teorias, mas basicamente a coisa foi assim:

- Bem no começo da difusão das Artes Marciais Japonesas (Chinesas, Coreanas etc.) no ocidente, estas eram feitas oralmente, por mestres orientais que não tinham necessariamente qualquer formação linguística... 
O que não só era de se esperar como o mais lógico de acontecer, pois os objetivos destes mestres eram apenas o ensino das Artes Marciais e não o ensino de um idioma!

- Os alunos ocidentais, também com pouca formação linguística, ouviam os termos orientais (Japoneses, Chineses, Coreanos etc.) e anotavam aquilo que "ACHAVAM que deveria ser" a pronúncia e traduções corretas (o que continua a acontecer nos dias de hoje, infelizmente).

- Estes conhecimentos empíricos (sem a mínima fundamentação literária) foram (re)transmitidos tanto oralmente como em publicações (o que continua também a acontecer nos dias de hoje, também infelizmente).

E tem sido desta maneira que os erros vão se perpetuando a cada dia que passa nas Artes Marciais orientais, Japonesas em particular.

Contudo, nesta época que vivemos, com acesso a informações de qualquer canto do planeta, esta cultura do "copy/paste" ("copiar/colar") ou do "ACHO que é assim..." já não tem por onde se manter. 


Pode-se, com um simples "click" do rato, ter toda fundamentação a respeito dos termos japoneses utilizados em TODAS as Artes Marciais Nipônicas ensinadas no ocidente. Sim, eu disse T-O-D-A-S! 

Mas, mesmo assim, com toda a informação ao nosso alcance, as pessoas continuam a preservar os erros - como se relíquias sagradas se tratassem!

O que causa uma grande confusão são os motivos que levam tais pessoas a continuar a propagar os erros quando sabem a informação correta. As razões para esta relutância, para este apego obstinado pelas coisas erradas parece ter - no meu ponto de vista - algumas raízes bastante conhecidas, tais como:


- A acomodação ao ensino teórico deficiente recebido... A maldita frase "Meu mestre disse que era assim." Já cheguei ao cúmulo de conhecer casos em que me foi dada esta resposta e o "mestre" em questão nem havia sido consultado, demonstrando uma acomodação e uma malandragem repugnantes por parte de quem utiliza este tipo de desculpa!

- A falta de educação específica na área da pesquisa, do estudo, do incentivo à "curiosidade", da valoração do "saber mais", da relevância do "questionar", do "aprender mais para ensinar melhor". Éramos treinados para PAGAR e CALAR.

- O medo de ir contra dogmas. Se estiver escrito nas publicações oficiais federativas, associativas, comunitárias... então é sagrado
O problema é que Federações (nacionais ou internacionais), Associações, Clubes e determinados indivíduos NÃO são nenhuma AUTORIDADE linguística e, portanto, o mais provável - se não tiverem a preocupação em "aprender" para difundir o certo - é que "metam o pé na poça" como qualquer pessoa sem a devida instrução! E podem ter certeza... Há MESMO muita coisa que precisa ser revista!

- O medo de ir contra os mestres mais antigos (por parecer desrespeito). Este é um caso que vai depender mesmo do mestre / instrutor e o seu maior ou menor grau de segurança e conhecimento sobre a arte que ensina. Quem SABE não tem medo de questionamentos! Porque duas coisas podem acontecer: sabe e responde; não sabe, pesquisa e responde posteriormente. Isso é o que faz um bom instrutor: não ter medo de dizer "Eu não sei!".

E assim por diante...

A grande realidade é que, mesmo com estes fatores condicionantes, a informação continua disponível à todos. O conhecimento agora não é um privilégio de uma elite com narizes empinados, o conhecimento agora é uma opção de cada um! Mas... continuamos - em pleno maio do ano de 2012 - com os mesmos termos errados, mal escritos, mal pronunciados, mal transmitidos como eram há 40, 50 ou mais anos atrás! Patético, não? Evolução?! Hummm. Não propriamente!

Na verdade, eu acredito que uma das perguntas fundamentais para a compreensão da origem do problema seria:

"O que divide um questionamento sincero e uma insubordinação para com o mestre / sensei?"
Realmente, ainda nos dias de hoje, a linha que separa estes dois aspectos é ainda muito tênue e dado o "estado das coisas" é ainda natural que o questionamento, as dúvidas sejam vistas de forma bastante negativa... e temidas também.

"Por quê?" 

Sejamos minimamente honestos: porque todos nós sabemos que a grande maioria dos instrutores de ontem e de hoje não tinham/tem formação suficiente a nível teórico a respeito das artes que ensinam - daí os erros continuarem a ser (re)transmitidos como se de informação fidedigna se tratasse - simplesmente porque os instrutores dos instrutores e aqueles que os formaram previamente também não tinham esta mesma formação teórica!

"Mas qual é a desculpa AGORA para continuarmos a ensinar ERRADO aos nossos alunos?" 

Sejamos, mais uma vez, honestos para com nós próprios... todos nós sabemos a resposta para esta pergunta! (Acomodação, conveniência, interesse pessoal, desconhecimento puro e duro etc.. A resposta pode variar de caso para caso.)

Felizmente, já há esperança na nova geração de instrutores de Artes Marciais Japonesas - seja a arte que for - uma geração composta por instrutores de todas as idades que estão se lançando na busca de respostas fundamentadas, cuja preocupação principal é saber o certo para ensinar certo! Preocupação que nunca existiu até então.

Tenho tentado, através das entradas deste blog, fornecer informação fundamentada não àqueles que ainda estão agarrados à manutenção do Status Quo, mas àqueles que se preocupam com um ensino de qualidade e em fazer a diferença entre ser um bom ou mau pedagogo.

Para estes bons instrutores, deixo as palavras do Mestre Kanô Jigorô 嘉納治五郎:

力必達 CHIKARA HITTATSU. "Se alguém se esforçar (verdadeiramente), é certo que atinge os seus objetivos."

Para "o resto", para "os outros", deixo uma observação bastante óbvia: mais cedo ou mais tarde vão ser ultrapassados e esquecidos... se é que já não foram! (^_^)



A pergunta final:
Qual vai ser o seu contributo (construtivo) para o futuro da arte que pratica?

---------------------------------
[1] Eu prefiro usar "Gong Fu" para os ideogramas 功夫, pois estou acostumado com o sistema PIN YIN de transcrição fonética para o idioma Chinês, mas para efeito de "contexto" usei intencionalmente o termo "Kung Fu" por ser mais conhecido e popular.
---------------------------------